Soufflé de Nutella

Essa é daquelas receitas que vai deixar todo mundo impressionado e pensando que é super difícil e você passou horas na cozinha preparando. Que nada. É tão fácil e se você tem nutella em casa provavelmente tem os outros ingredientes também. 

Se você não tiver coragem pra testar nenhuma receita das que posto aqui no blog, te faço um pedido: pelo menos teste essa. Prometo que você vai gostar!

Soufflés tem uma péssima reputação que eu acho injusta. Eles são muito fáceis de fazer, mas o problema sempre está na organização do tempo. É uma sobremesa feita pra você servir imediatamente após sair do forno, porque ela murcha rapidamente. O sabor continua o mesmo, mas aquele soufflé lindo e inchado não dura muito. 

A boa notícia é que você pode fazer com até 3 dias de antecedência e deixar na geladeira. Daí é só levar para assar minutos antes de servir e voilà. Você tem um delicioso soufflè. 

É legal que as claras estejam em temperatura ambiente porque elas vão criar volume mais rápido. Eu optei por bater à mão porque assim tenho mais controle do que na batedeira. Se as claras baterem demais o soufflé não vai crescer muito. Então cuidado. Só bata até elas começarem a ficar firmes, mas ainda macias. 

Se você não tiver ramekins individuais para assar pode fazer em uma porção maior também. Só cuide para que a assadeira seja reta nos lados para que ele cresça alto e reto. Espero muito que goste e teste em casa. Depois me conte como ficou.

Ingredientes:

3 claras

1 gema

170g de nutella (3/4 de xícara, mas um pouquinho a mais não vai matar ninguém né)

1/4 de xícara de creme de leite (eu usei o fresco, mas pode ser o de caixinha ou lata sem soro)

Processo:

Leve a nutella ao microondas por 30 segundos para que amoleça um pouco. Isso facilita bastante na hora de misturar com os outros ingredientes.

Em uma tigela, misture o creme de leite e a nutella. Acrescente a gema e misture. Em outra tigela bata as claras em ponto não muito firme. 

Incorpore 1/3 das claras no creme de nutella, misturando gentilmente para que não perca o ar incorporado. Acrescente o restante das claras e misture. 

Unte 4 ramekins com manteiga e açúcar. O açúcar ajuda a criar uma "parede" de proteção e assim os soufflés podem crescer mais uniformes. 

Distribua a massa nos ramekins e leve para assar em forno preaquecido a 200 C por 16-18 minutos. Sirva imediatamente.

Macaron de Limão

Tenho uma relação de amor e ódio com macaron. Amo porque é macio, suave, derrete na boca e é muito lindinho e customizável. Mas preciso admitir que a fama terrível que esse cookie francês tem não se dá à toa. É realmente cheio de regrinhas e 1001 coisas que podem dar errado. Já vou adiantando que não é pra ficar muito chateado se der errado na primeira, segunda ou terceira tentativa. Mas uma hora dá certo. Prometo. 

Então se é assim tão difícil, por que aprender a fazer? Porque vale a pena. Como esses docinhos são difíceis, o grau de satisfação é muito grande quando a receita dá certo. E com as dicas que vou deixar aqui acho que você terá muitas chances de conseguir fazer. Mas primeiro você precisa entender como funciona. 

Existem dois métodos pra se fazer macarons. O primeiro é partindo do merengue francês que é quando as claras são batidas em neve e o açúcar cristal incorporado lentamente à mistura. Eu tenho uma receita ótima aqui no blog de macarons feitos a partir desse método. 

A segunda técnica para macarons é feita a partir do merengue italiano, que pede uma calda fervente de água e açúcar acrescentadas lentamente às claras em neve até que fiquem brilhosas e firmes. Gosto muito desse merengue porque ele é muito mais estável e isso facilita muito na hora de misturar com os outros ingredientes do macaron porque ele segura o ar muito melhor do que o merengue francês.

Achei essa receita mais fácil do que a primeira porque você não precisa se preocupar TANTO com o número de mexidas que vai dar na massa. Essa receita é um pouco mais foolproof. Mas algumas coisas precisam ser levadas em consideração pra que dê certo.

1. Umidade

Eu fiz vários testes dessa receita e percebi que se o tempo lá fora estiver úmido, o tempo e a temperatura do forno devem ser menores. Geralmente asso em 180 graus, mas com o tempo úmido, baixo a temperatura pra 160 ou 150 graus. Macarons são muito sensíveis, e se o forno estiver muito forte eles irão rachar.

2. Ponto do merengue

Outro fator importante na hora de fazer macarons é dar o ponto certo pro merengue. Tudo começa na calda de água e açúcar. Ela precisa estar bem quente (110 graus C) para ser incorporada às claras. Um termômetro ajuda muito nessas horas e se você estiver planejando levar essa receita à sério, recomendo comprar um. Caso não tenha o termômetro pode dar certo também. Eu mesma já fiz várias vezes sem. Deixe ferver a calda por alguns minutos, mas retire antes que a calda comece a escurecer. 

Jogar a calda bem aos pouquinhos também faz muita diferença pra que o merengue fique firme, elástico e brilhoso. Se ele ficar parecendo um merengue francês, provavelmente a calda foi despejada muito rápido. 

O merengue precisa ser batido por bastante tempo pra que fique bem firme. Se ele estiver meio molengo, vai estragar a receita.

3. Corante

Tome cuidado com a quantidade de corante usada na receita. Apesar de ser bem "à olho" , corante demais pode umedecer demais a massa. Evite os corantes líquidos e use em pó ou em gel.

4. Temperatura e tempo de forno

Essa receita serve para se assar em forno a 180 graus C, mas se o seu forno tiver temperaturas menores vai funcionar melhor a receita. Principalmente se tiver corante, pois forno alto desbota muito a cor. Se o seu macaron ficar muito desbotado diminua a temperatura do forno na próxima vez e deixe por menos tempo. 

5. Utensílios

Essa não é daquelas receitas que se faz de qualquer jeito. Requer organização na cozinha e certos utensílios. Sacos de confeitar para formar os macarons e para o recheio são essenciais.  Ou, pelo menos um saco de ziplog com a pontinha cortada. Mas colocar a massa às colheradas não dá, a receita é impossível de dar certa assim.

Bicos de confeitar redondos são ideais mas não essenciais. Caso não tenha, dá certo sem também.  Papel manteiga é indispensável. Não tem como só untar uma forma com manteiga e/ou farinha. Primeiro porque eles grudariam da mesma forma. Segundo porque isso alteraria a receita. Macarons são sensíveis e não podem entrar em contato com nenhum outro ingrediente que não esteja na receita. Então papel manteiga sem dúvidas (ou silplat se você tiver). O ideal é desenhar com um lápis moldes com o tamanho que você preferir no papel manteiga pra que todos os cookies fiquem iguais. Como eles vão ser sanduíches, é importante que estejam do mesmo tamanho. Faça os moldes e vire o papel manteiga ao contrário para que o lápis não manche a massa.

Outros utensílios importantes também são o termômetro e uma balança. As medidas dessa receita estão tanto em gramas quanto em xícaras, mas eu recomendo MUITO que você use uma balança porque é muito mais precisa. Hoje em dia tem várias no mercado que já possuem um sistema que zera o peso anterior. Ou seja, você além de ter tudo mais preciso, economiza na louça suja porque pode medir vários ingredientes em uma mesma vasilha. Vale a pena.  

Fora isso, dá pra comprar forminhas de silicone em sites como ebay e amazon, que são próprias pra macarons e já vem com o formato certinho. É super opcional, mas vale a pena.

Se você estiver muito inseguro em relação ao ponto da massa, eu recomendo alguns testes. Misture a massa até um certo ponto e asse um macaron de teste. Vá fazendo isso até que ele dê certo. Assim você consegue saber se precisa misturar mais a massa, ou se já está bom. 

Acho que é isso. Essas são minhas recomendações pra que dê tudo certo. Espero muito que funcione pra você e que essa lista enorme não tenha te desanimado. Me conte como foi a sua experiência fazendo macarons e qualquer problema é só me escrever. Estou aqui pra ajudar. 

Ingredientes:

Para a massa:

212g de farinha de amêndoas (1 e 3/4 de xícara + 2 e 1/2 colheres de sopa)

212g de açúcar de confeiteiro (1 e 3/4 de xícara + 1 colher de sopa + 2 colheres de chá)

82g de claras de ovo (1/4 de xícara + 1 e 1/2 colheres de sopa)

90g de claras de ovo (1/4 de xícara + 2 colheres de sopa)

Raspas de 1 limão

236g de açúcar cristal (1 xícara +3 colheres de sopa)

158g de água (2/3 de xícara)

Para o recheio de limão:

3 gemas

2 ovos

1 xícara de açúcar

raspas e suco de 3 limões

1/2 xícara de manteiga sem sal

Processo: 

Para o recheio, misture todos os ingredientes e leve ao fogo baixo, mexendo sem parar até que engrosse (de 5 a 8 minutos). Coloque um plástico filme encostando na superfície para que não crie uma "pele" e leve para a geladeira. 

Para a massa:

Processe a farinha de amêndoas em um liqüidificador ou processador para que fique mais fina. Peneire a farina e o açúcar de confeiteiro, misture e faça um buraquinho no centro. Despeje as 82g de claras e misture até que crie uma pasta. Reserve.

Em uma batedeira, bata as 90g restantes de claras até que cm pico leve. Elas ainda precisam estar cremosas e não muito firmes (o ponto é conhecido como soft peaks). Simultaneamente, leve para ferver a água e o açúcar cristal para formar uma calda de açúcar. Assim que atingir 110graus C desligue. Despeje a calda bem aos pouquinhos sobre as claras enquanto a batedeira estiver funcionando. Se você estiver usando uma batedeira de mão tente segurar a panela com uma mão e a batedeira com a outra. Colocar um pano úmido embaixo da tigela ajuda com que ela não escorregue. Deixe bater por 5 minutos ou até que o merengue fique com picos bem firmes, esteja brilhoso e elástico e a vasilha esteja fria. Se decidir por corante, acrescente ao merengue nesse momento.

Incorpore 1/3 do merengue à mistura de farinha delicadamente pra não perder o ar. Incorpore outro 1/3 delicadamente e por último o resto do merengue. O ponto da massa não fica nem muito firme e nem muito líquido. A massa não deve ficar muito firme mantendo o seu formato sem se mover, e nem muito mole. Pra saber se misturei o suficiente eu gosto sempre de pegar um pouco da massa com a espátula e deixar cair na própria vasilha. A massa deve se dissolver em 10 segundos. 

Coloque a massa em um saco de confeitar e confeite círculos, deixando um espaço de 2cm entre eles. Leve para assar em forno preaquecido a 180 C por 8-10 minutos ou até que o topo esteja brilhoso e crocante. Não se preocupe se eles estiver grudados no papel. Espere esfriar completamente e só depois desenforme. 

Depois de frios é só rechear e aproveitar. Eles duram por até 6 dias fora da geladeira sem recheio, ou 4 dias recheados e refrigerados.

Viagem para Upper Peninsula

Faz quase 3 anos que moro em Michigan, mas nunca tinha visitado os pontos principais do Estado. Então surgiu a oportunidade de fazer essa viagem com amigos e passar alguns dias explorando a natureza e o que o lugar tem de melhor pra oferecer. 

Daqui de casa até a cabana em que ficamos hospedados foram 7 horas. Total da viagem 1700km. Bem longe pra quem não saiu nem do Estado né?! Mas valeu a pena. A melhor parte foi fazer essa viagem no outono. As folhas coloridas deixaram as trilhas muito mais bonitas. Paramos várias vezes na viagem de carro porque o caminho era simplesmente apaixonante. Queria registrar absolutamente tudo. Mas se passasse o tempo todo filmando não ia conseguir relaxar e aproveitar a viagem. Mesmo assim deu material suficiente pra um vídeo (thanks Paula!).

Ficamos em uma cabana super simpática bem no meio do mato. Visitamos alguns dos principais lugares em Michigan. Mas ainda ficou muita coisa pra trás. Daria um segunda, terceira ou até quarta viagem. As temperaturas já estavam baixas, quase negativas e choveu bastante. Mesmo assim deu pra fazer bastante coisa. Ficam o vídeo da viagem e algumas fotos. Espero que gostem.

Boeuf Bourguignon

Senhoras e senhores, com vocês o ícone da culinária francesa: o Boueuf bourguignon. Ele vai te fazer um carinho no estômago e alimentar o seu coração.  É uma ótima receita pra quem quer começar a se aventurar na culinária francesa. 

Toda vez que faço, não sobra nem uma raspinha na panela. O cheiro invade a minha casa. É o melhor cheiro do mundo. Sem mentira. Quando você fizer, vai concordar comigo.

O segredo dessa receita está na hora de selar a carne. Pra que ela fique bem morena e bonita, precisa estar completamente seca. Isso significa que você precisa tirar toda a umidade com um papel toalha antes de fritar. Além disso, ajuda bastante fritar a carne aos poucos para que ela tenha espaço pra respirar.

Segundo Julia Child (a pessoa que trouxe a culinária francesa para os EUA e consequentemente para o mundo) acém é o melhor corte de carne para essa receita. Ela fala que testou com diversas carnes, mas essa se mostrou superior às outras. A ideia nessa etapa é dar cor à carne. Não se preocupe em deixá-la cozida agora. Acém é um corte duro, e pra ficar macio precisa de bastante tempo de cozimento. 

É muito comum na culinária francesa o uso de bouquet garni, que nada mais é do que um punhado de ervas presas à um barbante. Os franceses fazem dessa forma quando querem que o sabor das ervas se incorpore ao prato mas sem a necessidade de apresentar no produto final. Fica o sabor, mas sai a textura de erva murcha.

Quando se trata das cebolas pérolas, elas são indispensáveis nesse prato. Mas uma coisa chata é ter que descascar essas miudezas. Pode levar bastante tempo e você acaba perdendo a paciência. Por isso, uma dica valiosa é cortar a ponta delas colocar as cebolas com casca em uma panela de água fervente por 2 minutos. Depois é só deixar escorrendo em água gelada por alguns segundos e voilà. Bem mais fácil desse jeito. 

Boeuf Borguignon fica mais gostoso se preparado no dia anterior. Os sabores se misturam melhor. Espero muito que você faça essa receita e que se apaixone por ela também.

Ingredientes:

1kg de acém cortado em pedaços grandes

1 cebola cortada em cubos

1 cenoura cortada em cubos

500ml de vinho tinto (eu usei o burgundy)

1 litro de caldo de carne (dissolva 2 cubos em água quente)

150g de cogumelos frescos cortados em 4 partes

2 colheres de sopa de farinha de trigo

2 dentes de alho picados

1 colher de sopa de extrato de tomate

1 bouquet garni (trouxinha com louro, tomilho e alecrim)

20 cebolas pérola

1 colher de sopa de açúcar

1/2 xícara de caldo de carne

Sal e pimenta do reino

Processo:

Em uma panela grande, aqueça um pouco de azeite e em temperatura média-alta doure a carne aos poucos, virando quando necessário até que esteja bem corada. Reserve.

Refogue a cebola e cenoura até que a cebola fique macia. Junte o alho, farinha e misture. Acrescente a carne e o vinho e deixe ferver. Assim que levantar fervura coloque o caldo de carne e tempere com sal e pimenta do reino. Cuidado com o sal, o líquido irá reduzir e o prato pode ficar salgado. Por isso, sempre coloco menos sal e ajusto quando a receita está pronta. Leve a panela para o forno preaquecido à 200 C por 2-3 horas ou até que a carne esteja bem macia. 

Enquanto isso, em uma panela aqueça um fio de azeite e refogue as cebolas pérola por aproximadamente 5 minutos ou até que comecem a ficar douradas. Junte o açúcar e o caldo de carne. Deixe ferver até que o caldo evapore quase completamente. Reserve. Na mesma panela coloque mais um pouco de azeite e refogue os cogumelos até que fiquem dourados e macios. Tempere com sal e pimenta e reserve.

Na hora de servir misture as cebolas e os cogumelos ao ensopado e sirva com arroz ou purê de batatas.